Matérias

Fetiches: Role Play.

Um fetiche muito legal é o Role-Play, que consiste em o casal ou um dos membros do casal personificar um papel diferente do costumeiro de namorados ou marido e mulher.

O Role-Play pode ser uma encenação simples, por exemplo o casal usando nomes diferentes: o homem chamar a mulher de puta, patroa, filhinha ou um nome diferente e a mulher chamando o homem de puto, escravo, bebezinho etc...

A fantasia pode também ser mais elaborada com uma situação planejada, como a moça ir a um bar e ser cantada pelo próprio parceiro, ficar na rua fazendo de conta que é uma prostituta, uma simulação de assalto ou de sequestro. Quando a situação é realmente elaborada, roupas ou acessórios ajudam colocar as pessoas no clima da encenação. Muitos casais tem um dia especial para essas brincadeiras, o que é muito válido e mantém o relacionamento aceso.

Enfim, esta é uma ótima pratica para um casal que queira variar em seu relacionamento com algo que é no mínimo, divertido. É preciso, no entanto, que cada casal defina seus limites e decida com que frequência o Role-Play será praticado. Alguns relacionamentos chegam até a ter como base os jogos de interpretação.

Em casos muito extremos não se diferencia a realidade do fetiche e pode gerar problemas ao casal e só deve ser encarado como doença quando faz mal a pessoa ou ao parceiro podendo ser necessária ajuda profissional. Existe um limite muito tênue e que deve ser analisado caso a caso.

Vamos, então citar algumas fantasias e fetiches comuns vindos do Role-Play.

Role-Play com fantasias: é um fetiche bem comum que consiste em usar fantasias diversas para brincar antes, durante ou depois do sexo propriamente dito. Para isso as sexshops já tem catálogos de fantasias diversas. Mesmo lojas de fantasias tem roupas específicas que podem ser usadas nas fantasias sexuais em catálogo próprio.

Relativo ao Role-Play, sempre recomendamos muita conversa do casal, porque algumas fantasias são sedutoras para uns e cômicas ou mesmo geram asco para outras pessoas. Por isso, uma boa conversa antes de fazer o Role-Play é recomendada sempre, pois a fantasia tem de agradar a ambos.

Não recomendamos nunca fazer uma surpresa, pois a pessoa pode se decepcionar ou ao parceiro. Cuidado também com a surpresa gerando reações diferentes da desejada, afinal uma pessoa morrendo de rir não costuma ficar com tesão. Porém quando é sabido pelos dois e acordado que determinada caracterização agrada a ambos,  pode-se combinar a fantasia e a fazer em um dia específico. Se as pessoas conversam e acertam essas pontas, poderão fazer algo delicioso para ambos.

Uma dica importante é que no começo sempre é estranho ou engraçado praticar o role-play, afinal não somos ensinados a encenar. Por isso, recomendamos testar ou combinar muito bem esse fetiche, já que a pessoa vai usar roupas diferentes e tentar ser outra pessoa. Como em um teatro, as pessoas têm que preparar a cena antes, o local, as roupas, o que pode ser dito ou não, podendo até ensaiar antes na cama mesmo sem as roupas para ver se é gostoso e deixando para o dia o ato.

Também recomendamos que as cenas sejam feitas em local privado.  Locais públicos podem gerar problemas, por exemplo a polícia prender a moça vestida de prostituta na rua. Outra coisa importante é o cuidado com os acessórios e roupas para não gerar problemas, por exemplo, algemas de chaves quando são perdidas geram situações constrangedoras.

Dominação, submissão ou violência simulada: Muitas mulheres gostam da fantasia de estar sendo sequestradas ou estupradas. É uma fantasia mais comum do que se imagina. Mas deve ser muito bem combinada para evitar que se ultrapassar os limites de um ou do outro. Tais cenas costumam ser muito intensas e quase sempre de fantasia passa a ser um fetiche permanente de ambos.

Age Play (Fantasia de idades): É quando um dos membros do casal ou os dois usam como principal parte da sua encenação a mudança de idade, uma ou as duas pessoas se fantasiam ou fazem de conta terem outras idades. Por exemplo, fantasia de colegial (uma das prediletas dos homens), ou velhinho tarado ou indefeso. Dentro do Age Play ainda existe outras modalidades de fetiches como o Infantilismo.

Infantilismo: Quando uma das partes do casal encena ser infantil, podendo desde ser criança até ser bebê. Em casos mais extremos algumas pessoas adotam isso como estilo de vida, vivendo com o parceiro sendo bebê ou criança.

Papéis sociais: Pessoas que gostam de encenar papeis sociais diferentes, quase sempre complementares. Exemplo:  patrão e empregada, policial e ladrão, pai e filha, professor e aluna, etc.

Inversão de papéis: É quando homem e mulher trocam de papéis e isso pode ou não incluir o momento do sexo, neste caso a mulher finge ser o homem e vice e versa.

Algumas pessoas costumam questionar se todos os relacionamentos e fetiches não são basicamente Role Play. Em resumo, tudo que foge a realidade é considerado Role Play.

Todo mundo usa máscaras na vida real e na cama é comum usar uma máscara também ou retirá-la e ser você mesmo. Em casos em que a pessoa na cama é mais ela mesma, costumamos dizer que esse é o caso do fetiche real. Por exemplo, o homem gentil e calmo, mas que na cama é Dominador ou a mulher que na vida é ativa, comanda o relacionamento e na cama é submissa e só assim se sente bem são o típico caso de pessoas que realmente tem o fetiche e não o Role-Play.

Em alguns casos, se a pessoa não se aceita e não sabe diferenciar os dois mundos e separá-los de uma maneira saudável, pode gerar fugas e problemas psicológicos diversos e deve ser tratada. Em compensação, as pessoas que sabem diferenciar e aceitam a existência dos dois mundos e os vivem bem são fetichistas saudáveis.

Algumas pessoas gostam de viver separadamente as duas vidas de uma forma que acabam criando mundos tão separados que começam viver isso de uma maneira doente, quase como dupla personalidade. Este é um caso extremo e exige tratamento também.

Aproveitando o fim do carnaval, guardem as fantasias dos blocos ou as que usaram na sociedade e experimentem torná-las sensuais para apimentar o sexo com seu parceiro. Converse com ele ou ela e veja se a pessoa gostou da idéia. Invente algo, divirta-se e não queime a fantasia na quarta-feira de cinzas. Transforme sua cama em sua passarela e seja a estrela de noites divertidíssimas e deliciosas.

Pensem em quais fantasias os excitam e vivam isso na cama com seu parceiro. Tirem isso da imaginação, afinal o que os impede? Conversem, criem, apimentem seu relacionamento e seu parceiro vai agradecer!

 

Abraços e beijos,

O Motorista

 

PS:. Comentem quais fantasias os excitam e quais já fizeram ou querem fazer, eu vou ler e responder a todos, viva folia…!!!

Recomendamos também